-

"Engolimos de uma vez a mentira que nos adula e bebemos gota a gota a verdade que nos amarga." Denis Diderot

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

Frases minhas

=> I And I

Umas crianças a essa hora correm na rua. Os cães se agitam. O vento que sopra provoca um barulho danado numas telhas de zinco de um ginásio aqui bem perto. Mas o meu móbile produz um suave som. Machado de Assis precisa saber disso.

Pra você que entende de sopro: o que significa esse vento agora a noite?!

É bem verdade que eu andei meio tristinho, mas só de ruim já desentristeci.


Tentei dormir, não consegui. Fui ler um pouco, xô concentração, ligo a televisão, me desanimo: minha tarde de domingo virou um "TV Colosso". Eu mereço!

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Num dia de São Francisco de Assis...


O que ficou de você...
Sim, as vezes me pego catando esses pequenos objetos. Mas foram tantas coisas que ficaram de você, minha mãe. Não foram somente esses seus óculos sobre o móvel da velha máquina de costura, RG, CPF, cartões do banco, do SUS, documentos que não mais lhes servirão. Esses estão por aqui, guardadinhos, juntos aos do meu pai. Mas ficaram tantas outras coisas... ah, se ficaram!... Hoje, por exemplo, quando me levantei, me veio a lembrança da sua preparação para a festa de São Francisco. “Irmão vento, irmão sol, irmã lua”... E toda aquela gente que acorria para sua casa para lhe ajudar nos afazeres, do lar e da festa. Num tempo mais distante, e talvez uma semana ou quase um mês antes do período de celebração da festa, a sua peregrinação pelo comércio da cidade (isso num tempo mais próspero) para angariar donativos para o evento. Dos que eu ainda me lembro, a senhora, sua vizinha dona Mariazinha, Charles e Zeca... Claro que haviam outros nessa missão, mas a memória já me falha. E então é isso, não foram só esses objetos tão visíveis a olho nu que ficaram ao meu alcance, mas também, e principalmente, a sua garra, dedicação e amor a sua religião, aos seus mestres e aos seus princípios. E essas coisas estarão sempre em voga. Pode estar certa disso. (Eliel Silva, 4 de outubro de 2016)

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Sobre o tempo e a poeira


Sei que pode parecer abandono, mas é apenas espera. Espera que o tempo de ajeitar as coisas possa vir. Tem sido assim por toda essa vida. Agora não seria diferente. E então chegará a vez de fazer a faxina geral, espanar os móveis, mover a poeira, eliminar as traças, remover as teias de aranha. Com o tempo aprendi que o pó e a cinza até ajudam a conservar determinadas coisas, as deixam intactas para um futuro indefinido. E assim, como já falou o poeta: “resta a espera, que sempre é um dom”. (Eliel Silva - 29 de setembro de 2016)

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

É primavera...



A FLORZINHA

Eu fui pelo mato
Assim seria mais perto chegar
E evitar tanto arrodeio
...
E no meio daquele mato
Encontro uma florzinha amarela
De tanto medo.


Pensei leva-la pra casa
Não deixa-la ali, sozinha
Mas ela se agarrava no mato
Desconcertada, me pedia
Pra ficar com ela
E não ir embora


Eu que nunca entendi essas coisas
Menti que voltaria
Fui pensar numa ação de resgate
Voltei no outro dia, era tarde
A flor já não existia


(Eliel Silva - 20.09.2017)

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Na rua em que eu morava




Acabei de passar lá na rua em que eu morava, coisa que faço vez em quando, pois não dá para deixar tudo aquilo para trás. Excepcionalmente hoje, não me senti bem com o que presenciei: não mais encontrei aquela casa em frente a dos meus saudosos pais. Sim, estava faltando o lar de “Pai Minga” e dona “Santa”, do mestre Joaquim e dona Teresina. Aquela casa que me acolheu tantas vezes, para uma partida de futebol com caixas de fósforo, onde fazíamos do piso da sala o nosso estádio. Partidas memoráveis foram realizadas ali com os anfitriões Bão (que mais tarde veio a ser meu compadre), Doca e Jangada, além, claro, dos tantos outros meninos de então, vizinhos e amigos. Fiquei chocado e ao mesmo tempo com raiva daquela máquina que, pouco a pouco, demolia paredes e ia retirando os escombros e colocando numa caçamba, apagando assim muito das nossas lembranças. Nem mais sinal do forno de lenha, onde o casal e seus filhos assavam as deliciosas raivas. E aquela janela de frente, que me permitia apreciar, lá da minha calçada, aqueles velhinhos simpáticos numa cumplicidade de dar inveja: Pai Minga e Mãe Santa. É bem certo que faz muito tempo que nem moro mais naquela rua, mas nas vezes que passo ali, um filme volta a ser exibido na minha mente. Agora vou ter que puxar mais ainda pela memória para “rever” a nossa gente, já que parte do cenário foi retirada. É bem verdade que devemos estar abertos ao progresso, mas isso às vezes é um processo que dói demais. (Eliel Silva - 17.09.2017)